Poesia

Erupta

Quando a mulher era uma ilha vulcânica
ela abria as pernas e sua vulva
relaxada exalava magma

O homem era um náufrago perdido nas águas

Pelas ondas arrojado,
o homem escalou os dois montes-seios
Estupefato provou do leite salino que deles saíam
Do alto da montanha
viu o homem que a mulher não estava só:
Era um arquipélago

E o homem temeu a cordilheira superfície da mulher.

Poesia

Capítulo XIII

Quando eu era menina
Falava como menina
Sentia como menina
E também falava como menino
Discorria enquanto menina
Discordava das outras
E dos meninos

Mas logo que cheguei a ser mulher
Acabei com as coisas de menina
E de menino
Porque agora me vejo pelo espelho
E me permaneço enigma
Já não me vejo:
Face a face
Conheço-me em partes
Conheço-me como sou conhecida

Agora permanece sobre mim a Fé
Desesperança minha
Desigualdade

Será maior que elas,
o Amor?

Quando eu era menina
Falava como menina
Sentia como menina
Mas logo que cheguei a ser mulher…

 

©Aline Djokic, 2017

Poesia

Autocontrole

Botox no rosto:
A cada seis meses
Depilação com cera quente:
A cada 20 dias
Retoque na raiz dos cabelos:
A cada 15 dias
Manicure:
A cada semana
Retoque da maquiagem:
De meia em meia hora
Quase não sobra tempo para controlar:
A saia
O decote
A estampa
Chamativa
O salto quebrou
Era pago à prestação
Esqueceu as chaves
Vai descer
No beco escuro

Palpitação
Palpitação
Palpitação:
A todo instante.

©Aline Djokic, 2017