Poesia

Analogia

Gilberto sonhou
Que a senzala
Látego latente e latejante
Adentrava litigiosamente a casa-grande
Sem afeição alguma
Sem teta de ama de leite
Sem histórias de preta velha
Sem esperanças de concubinato
E alforrias
Sem capitão do mato
Para prender esse negro safado
Que botou o senhor de quatro
E bezuntando o membro ardente de banha de cheiro
O fez engolir gota por gota
Essa mentira violenta
De democracia racial.

©Aline Djokic, 2017