Tríptico

Um dia, uma mulher de bem
e uma mulher do mal
(que nada mais é que
uma mulher emancipada)
encontraram uma puta
Assim, em plena luz do dia
E se entreolharam sem conseguir compreender
como poderia uma mulher com o sexo
ganhar, não a morte, mas sim, a vida?

Erupta

Quando a mulher era uma ilha vulcânica
ela abria as pernas e sua vulva
relaxada exalava magma

O homem era um náufrago perdido nas águas

Pelas ondas arrojado,
o homem escalou os dois montes-seios
Estupefato provou do leite salino que deles saíam
Do alto da montanha
viu o homem que a mulher não estava só:
Era um arquipélago

E o homem temeu a cordilheira superfície da mulher.

Analogia

Gilberto sonhou
Que a senzala
Látego latente e latejante
Adentrava litigiosamente a casa-grande
Sem afeição alguma
Sem teta de ama de leite
Sem histórias de preta velha
Sem esperanças de concubinato
E alforrias
Sem capitão do mato
Para prender esse negro safado
Que botou o senhor de quatro
E besuntando o membro ardente de banha de cheiro
O fez engolir gota por gota
Essa mentira violenta
De democracia racial.

Frida, Diego e as outras

Frida amava Diego
Que amava outras mulheres
Que também amavam Frida
Que amava a todos e a todas
Mas não podia amar o próprio corpo
Tão incontrolável
Quanto o homem a quem amava
Que amava outras mulheres
Que também amavam Frida
Que amava a todos e a todas
Mas não podia amar o próprio corpo
Tão incontrolável
Quanto o homem a quem amava.

Como preparar uma mulher

Ingredientes:

Uma mulher

Utensílios:

Uma máquina de moer carne
Uma forma pequena, apertada, minúscula
Uma forma na qual você saiba
Que ninguém caberia

Modo de fazer:

Moa e remoa a mulher
Moa, moa, moa
E remoa, essa mulher
Até que a massa se torne uniforme

Não tempere
A carne já vem curtida
Na acidez cotidiana
Tendo um leve gosto amargo

Todo mundo sabe que o
amargor é um belo digestivo…

Coloque no conteúdo a forma
De silicone
Perdão! Ato falo…
Digo, ato falho…
Coloque, naturalmente
(com a natureza construída
pelos discursos míticos)
O conteúdo na forma
De silicone ou não

Há de sobrar muita massa…
Se não química, então, alquímica
Se não física, metafísica
Algo sempre sobra numa mulher…

E o que sobrar deita fora
Deita fora a massa disforme
Mas o que couber na forma pequenina
Ponha no fogo
E deixa arder eternamente.