Poesia

Gramática normativa

E era toda a terra de uma mesma língua
e de uma mesma fala

E disseram uns aos outros: Eia,
façamos tijolos e queimemo-los bem
Eia, edifiquemos nós dentro da cidade e que nossas torres
alcancem os arranha-céus
para que não sejamos espalhados
sobre a face de toda a terra longe
do saneamento básico e das políticas públicas

Então desceram os senhores para verem as torres
que os filhos dos homens edificavam na cidade

E os senhores disseram: Eis
que o povo é um,
e todos têm uma mesma língua
e isto é o que começam a fazer
e agora não haverá restrição para tudo
o que eles intentarem fazer

Eia desçamos e confundamos ali a sua língua
Para que não entenda um a língua do outro.

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s