Poesia

Ressurreição

Aceitei a vida
A difícil tarefa de existir
A difícil tarefa de resistir
A difícil tarefa de ter que ser a si mesma

Pedi a mim que viesse
Pedi-me, a mim mesma e a mais ninguém
Pedi que me sentasse
Aquele eu morto

E ali, diante daquilo que queria ser,
Sendo eu, toquei-me
Adentrei as minhas feridas com os meus dedos
Como um Tomé
Diante do seu Deus ressuscitado

E o que eu era, calada,
Me olhava complacente
Como somente um Deus pode sê-lo

Retornei ao meu templo,
Cega,
Como somente os fiéis sabem ser.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s