Poesia

A redoma

A redoma que me protegia não era de vidro
Era de carne
Escura
E viva
Ainda…

As balas não eram de borracha
As dores não alcançavam plasticidade sináptica
Mas retornavam os corpos plastificados
Como produto fabricado em massa
Pelo… (CENSURADO)

A minha redoma não se quebra
A minha redoma se curva com o peso
Dos caixões à caminho dos cemitérios

A minha redoma foi arrastada
Pendurada numa viatura
Frase que parece passiva
Por não poder-se nomear o agente
Ou por se reconhecer a nulidade desse ato

A minha redoma enverga-se
Grita, levanta, marcha
A minha redoma está cansada
E é escura
Mas está viva
Redoma de corpos negros.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s