Poesia Deletada

Eu queria que escrever fosse um dom
E não uma necessidade
De manter-me viva
De enganar a realidade
Injusta

Queria o trabalho árduo dos poetas
Que contam as rimas, se usam da métrica
Mas essa não sou eu

Eu sou assim, sem tramelas
Um olho a espiar pela fresta
Da efemeridade do ser.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s