Poesia

Como preparar uma mulher

Ingredientes:

Uma mulher

Utensílios:

Uma máquina de moer carne
Uma forma pequena, apertada, minúscula
Uma forma na qual você saiba
Que ninguém caberia

Modo de fazer:

Moa e remoa a mulher
Moa, moa, moa
E remoa, essa mulher
Até que a massa se torne uniforme

Não tempere
A carne já vem curtida
Na acidez cotidiana
Tendo um leve gosto amargo

Todo mundo sabe que o
amargor é um belo digestivo…

Coloque no conteúdo a forma
De silicone
Perdão! Ato falo…
Digo, ato falho…
Coloque, naturalmente
(com a natureza construída
pelos discursos míticos)
O conteúdo na forma
De silicone ou não

Há de sobrar muita massa…
Se não química, então, alquímica
Se não física, metafísica
Algo sempre sobra numa mulher…

E o que sobrar deita fora
Deita fora a massa disforme
Mas o que couber na forma pequenina
Ponha no fogo
E deixa arder eternamente.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s